Etelvina Caetano de Jesus

Em 1976/1977 famílias oriundas do interior, levantaram os primeiros barracos que deram origem à favela da Vila Boa União, no Bairro 1º de Maio. Em novembro de 1977 as chuvas alagaram toda a vila. As famílias foram abrigadas na Igreja Santo Antônio, da Paróquia de Todos os Santos, do pároco Padre Pigi. Após o término das chuvas, as famílias regressaram para seus “barracos”. A partir deste duro acontecimento nasceu uma amizade entre as famílias carentes e Rosa Brambilla. Através das visitas domiciliares regulares, viu-se a necessidade de construir uma “escolinha infantil”. Em 1978 uma senhora da comunidade, dona Etelvina Caetano de Jesus, ofereceu o único espaço que ela tinha, para que se iniciasse o trabalho com as crianças de 4 a 6 anos, mesmo o lugar sendo muito simples, debaixo de uma lona, aquele era um local para a comunidade eclesial e para os moradores da Vila, onde aconteciam: liturgia, catequese, bazares, festas “dançantes”, brincadeiras e bordados para as mães.

Em 1979 foi comprado, reformado e ampliado um barracão às margens do ribeirão do Onça para a construção da Creche. Toda a construção foi realizada através de mutirão dos moradores da comunidade. A Creche só foi constituída legalmente em 21 de março de 1987, mas foi desapropriada em 1995 junto com centenas de famílias, e acabou mudando para uma nova Creche que foi construída pela AVSI (Associação de Voluntários para o Serviço Internacional) e dois amigos italianos (Padre Luigi Valentini e Gabriele Carraro), localizada na Rua Oscar Lobo Pereira, no mesmo bairro.

Em 2004 nasceu o Centro Educativo Padre Virgílio para dar continuidade ao atendimento das crianças que atingiam a idade escolar e, portanto, saíam da creche para ingressarem na escola. O Centro Educativo atende as crianças no horário complementar ao da escola.

Atualmente são atendidas 96 crianças de 4 meses aos 6 anos, além de 35 adolescentes de 6 a 12 anos de idade.


Educação Infantil

Em 1976/1977 famílias oriundas do interior, levantaram os primeiros barracos que deram origem à favela da Vila Boa União, no Bairro 1º de Maio. Em novembro de 1977 as chuvas alagaram toda a vila. As famílias foram abrigadas na Igreja Santo Antônio, da Paróquia de Todos os Santos, do pároco Padre Pigi. Após o término das chuvas, as famílias regressaram para seus “barracos”. A partir deste duro acontecimento nasceu uma amizade entre as famílias carentes e Rosa Brambilla (fundadora das Obras Educativas). Através das visitas domiciliares regulares, viu-se a necessidade de construir uma “escolinha infantil”.

Em 1978 uma das mulheres da comunidade, dona Etelvina Caetano de Jesus, ofereceu o único espaço que ela tinha, para que se iniciasse o trabalho com as crianças de 4 a 6 anos: mesmo o lugar sendo muito simples, debaixo de uma lona, aquele era o local de referencia para a comunidade eclesial e para os moradores da Vila, onde aconteciam: liturgia, catequese, bazares, festas “dançantes”, brincadeiras e bordados para as mães.

Em 1979 foi comprado, reformado e ampliado um barracão às margens do ribeirão do Onça para a construção da Creche. Toda a construção foi realizada através de mutirão dos moradores da comunidade. A Creche só foi constituída legalmente em 21 de março de 1987, mas foi desapropriada em 1995 junto com centenas de famílias, e acabou mudando para um novo espaço foi construído com a ajuda da Fundacao AVSI e dois amigos italianos (Padre Luigi Valentini e Gabriele Carraro), localizada na Rua Oscar Lobo Pereira, no mesmo bairro.

Atualmente são atendidas 96 crianças de 4 meses aos 6 anos de idade na Educação Infantil.


Centro Educativo Padre Virgilio

Em 2004 nasceu o Centro Educativo Padre Virgílio para dar continuidade ao atendimento das crianças que atingiam a idade escolar e, portanto, saíam da educação infantil para ingressarem na escola.

O Centro Educativo atende as crianças no horário complementar ao da escola.

Atualmente são atendidas 35 crianças e adolescentes de 6 a 12 anos de idade.